Posts Tagged ‘Quadrangular’

h1

Homenagem às Secretárias(os) 2010

setembro 29, 2010


Olá people!

Compartilhando com vocês mais uma peça desenvolvida.

Cartão em homenagem às secretárias(os) da Igreja do Evangelho Quadrangular, para o ano de 2010. Utilizamos Photoshop CS3, trabalhando com desaturate, overlay, gaussian blur e hue/saturation.

Gostei do resultado!

E você, o que achou???

Abraços e até o próximo post!

“Keep the fire burning!”

Anúncios
h1

GeraForte 2010

março 25, 2010

Um salve aos meus amigos internautas!

Depois de um bom tempo sem posts, estou de volta para compartilhar meus trabalhos.
Novamente trabalhando com o Pr. Leandro Genaro, produzi um VT chamada para o GeraForte 2010 – Congresso Estadual de Jovens da Igreja do Evangelho Quadrangular/MG. Seguindo o tema de 2009 (Levanta-te), o Pr. Leandro trabalhará com o tema “Avançai”. Para compor este VT de 15 segundos, trabalhei com a logo dos jovens ao fundo, e efeitos explosivos chamando pra guerra mesmo, e para completar a composição, nada mais propício que “All Fired Up”, do Petra (1988). O vídeo completo, editado pela Secretaria de Comunicação – MG, será veiculado no programa “Quadrangular – Uma Igreja em Ação”, na Band, todos os sábados, 8h45.
Aprecie e deixe seu comentário.

Abraços!


“Keep the Fire Burning!!!”

h1

Cultura Digital

novembro 20, 2009

O conceito de cultura digital não está consolidado. Aproxima-se de outros como sociedade da informação, cibercultura, revolução digital, era digital. Cada um deles, utilizado por determinados autores, pensadores e ativistas, demarca esta época, quando as relações humanas são fortemente mediadas por tecnologias e comunicações digitais.

Wikipedia não registra a expressão nos idiomas inglês e espanhol. Em português, há um verbete que demarca o surgimento da cultura digital no pós-guerra, quando tem início o processo de digitalização, materializado no ambiente de processamento de dados que passa a ser dominado por grandes máquinas de computar.

O sociólogo espanhol Manuel Castells, em dossiê publicado pela revista Telos, mantida pela Fundación Telefónica, define a cultura digital em seis tópicos:

1. Habilidade para comunicar ou mesclar qualquer produto baseado em uma linguagem comum digital;

2. Habilidade para comunicar desde o local até o global em tempo real e, vice-versa, para poder diluir o processo de interação;

3. Existência de múltiplas modalidades de comunicação;

4. Interconexão de todas as redes digitalizadas de bases de dados ou a realização do sonho do hipertexto de Nelson com o sistema de armazenamento e recuperação de dados, batizado como Xanadú, em 1965;

5. Capacidade de reconfigurar todas as configurações criando um novo sentido nas diferentes camadas dos processo de comunicação;

6. Constituição gradual da mente coletiva pelo trabalho em rede, mediante um conjunto de cérebros sem limite algum. Neste ponto, me refiro às conexões entre cérebros em rede e a mente coletiva.

Durante o Seminário Internacional de Diversidade Cultural foi promovido um processo participativo de construção de uma agenda de cultura Digital. Os pesquisadores e ativistas Bianca Santana e Sergio Amadeu da Silveira sistematizaram umtexto final que conceitua cultura digital:

“Reunindo ciência e cultura, antes separadas pela dinâmica das sociedades industriais, centrada na digitalização crescente de toda a produção simbólica da humanidade, forjada na elação ambivalente entre o espaço e o ciberespaço, na alta velocidade das redes nformacionais, no ideal de interatividade e de liberdade recombinante, nas práticas de simulação, na obra inacabada e em inteligências coletivas, a cultura digital é uma realidade de uma mudança de era. Como toda mudança, seu sentido está em disputa, sua aparência caótica não pode esconder seu sistema, mas seus processos, cada vez mais auto-organizados e emergentes, horizontais, formados como descontinuidades articuladas, podem ser assumidos pelas comunidades locais, em seu caminho de virtualização, para ampliar sua fala, seus costumes e seus interesses. A cultura digital é a cultura da contemporaneidade”.

Durante o período em que esteve à frente do Ministério da Cultura, Gilberto Gil participou de inúmeros eventos voltados à discussão da cultura forjada pelas redes interconectadas, pelos recursos digitais. Em uma de suas falas mais marcantes , em aula magna proferida na Universidade de São Paulo, Gil também faz um esforço de conceituar o que seria a cultura digital:

“Novas e velhas tradições, signos locais e globais, linguagens de todos os cantos são bem-vindos a este curto-circuito antropológico. A cultura deve ser pensada neste jogo, nessa dialética permanente entre tradição e invenção, nos cruzamentos entre matrizes muitas vezes milenares e tecnologias de ponta, nas três dimensões básicas de sua existência: a dimensão simbólica, a dimensão de cidadania e inclusão, e a dimensão econômica. Atuar em cultura digital concretiza essa filosofia, que abre espaço para redefinir a forma e o conteúdo das políticas culturais, e transforma o Ministério da Cultura em ministério da liberdade, ministério da criatividade, o ministério da ousadia, ministério da contemporaneidade. Ministério, enfim, da Cultura Digital e das Indústrias Criativas. Cultura digital é um conceito novo. Parte da idéia de que a revolução das tecnologias digitais é, em essência, cultural. O que está implicado aqui é que o uso de tecnologia digital muda os comportamentos. O uso pleno da Internet e do software livre cria fantásticas possibilidades de democratizar os acessos à informação e ao conhecimento, maximizar os potenciais dos bens e serviços culturais, amplificar os valores que formam o nosso repertório comum e, portanto, a nossa cultura, e potencializar também a produção cultural, criando inclusive novas formas de arte”.

Assim, o Fórum da Cultura Digital Brasileira é também um meta-fórum, porque uma de suas tarefas é debater este conceito, do ponto de vista teórico, mas principalmente como fundamento para o desenvolvimento de políticas públicas.

No texto de Amadeu e Santana e na fala de Gil a idéia de cultura digital como uma cultura contemporânea (no caso, Gil fala em contemporaneidade) se destaca. Seria a cultura digital, então, a cultura deste nosso tempo? Mesmo sem termos à mão um conceito fechado, sabemos que a idéia de cultura digital com a qual trabalharemos é inclusiva, posto que incorpora os atores cuja cultura de uso e práticas emergem integralmente do mundo digital (nerds, hackers, gamers, produsers, entre tantos outros), mas também aqueles cuja vivência é “mais instrumental”, seja porque ainda ligados à indústria cultural do século XX ou mesmo porque adeptos das práticas tradicionais e populares.

É justamente essa visão que nos permitirá debater e, talvez, compreender, se existe – ou se é apenas uma miragem – uma cultura digital brasileira; se vivemos mesmo em uma sociedade que não teme a quebra de paradigmas ocasionada pela revolução digital; e se, pelo contrário, vivemos em uma sociedade antropofágica que desafia este tempo, fascinada, como o fez em outras épocas com a cultura pop (tropicalismo) e o pensamento religioso do incauto Bispo Sardinha (como recuperado por Oswald de Andrade no Manifesto Antropófago).

Copiado na íntegra – Fonte: http://culturadigital.br/o-programa/conceito-de-cultura-digital/

h1

VT COMMEQ-MG 2009

outubro 20, 2009

Saudações amigos internautas!

Bom, o post de hoje é muito legal, pela forma como se deu o processo (HOJE)! Desenvolvido em tempo recorde e sob muita pressão (rsrs). Um VT para o I Congresso Estadual COMMEQ-MG – Adoração e Avivamento, sob a coordenação do Pr. Rafael Genaro, com narração de Ludmilla Rangel e Petter Garrido – Secretaria Estadual de Comunicação – IEQ/MG.

Como sempre, desenvolvido em After Effects CS3 e aperfeiçoado no CS4, a partir do cartaz produzido em parceria com Wanderson Sekão. O áudio foi editado em Sony Sound Forge 9 e ACID Pro 7.

Confira e comente!

h1

Cartão para Secretárias

setembro 21, 2009

Cartão para Secretárias

Olá people!

Compartilhando com vocês mais uma peça que achei interessante e gostei de desenvolver.

A pedido da diretoria, desenvolvemos o cartão para as secretárias da Igreja do Evangelho Quadrangular. Desenvolvido em Corel Draw X4 e finalizado no Photoshop CS3. Segui uma linha meio retro, inspirado no site Abduzeedo.com, utilizei alguns elementos comuns às secretárias para contextualizar a cena, e não poderia deixar de registrar as quatro cores da Igreja.

Gostei do resultado!

E você, o que achou???

Abraços e até o próximo post!

“Keep the fire burning!”

h1

FestJovem MG 2009 – O vídeo

julho 15, 2009

Olá People!

Conforme combinado em post anterior – FestJovem MG 2009 – um festival de música realizado pela Coordenadoria Estadual de Jovens, em parceria com a COMMEQ, segue o vídeo comercial do evento, produzido a pedido do coordenador estadual, Pr. Leandro Genaro, à Secretaria Estadual de Comunicação – MG.
Aprecie e deixe seu comentário.

Abraços!

“Keep the Fire Burning!!!”

h1

SEEC – MG 2009

junho 30, 2009

Ao Seminário Estadual de Educação e Cultura - MG 2009Olá people!

Seguindo o mesmo formato da mensagem para o CONAD 2009, desenvolvemos uma mensagem aos participantes do V Seminário Estadual de Educação e Cultura da Igreja do Evangelho Quadrangular, sob a direção do Pr. Leonardo Barros.

Apresentamos algo diferente, utilizando circulos e o azul, por se tratar de educação, transmitindo tranquildade e segurança.

Deixem comentários. Espero que gostem.

Abraços e até a próxima!!!

“Keep the Fire Burning!”